segunda-feira, 14 de abril de 2014

Você não vai arrumar um namorado?

 
Imagem do App Bitstrip
As minhas amigas insistem que já passou da hora de eu encontrar alguém. Sempre que encontro com minha tia, meus avós, ou qualquer um que saiba da minha vida, a fala é sempre a mesma: 

_ Já encontrou um namorado? Não é bom ficar sozinha. Quando é que você vai se casar de novo?

Não é que eu não queira encontrar alguém, eu quero! Mas não é só para não morrer no frio da solidão ou para ter um macho que me defenda. Se assim fosse, teria continuado casada com o anterior, mas entre ficar acompanhada por um alienígena macho ou ficar sozinha, eu preferi a solidão.

Para começar, eu não tinha nenhuma vantagem quando estava casada. Eu limpava a casa, trabalhava, cuidava do filho, saía para fazer as compras e pagar as contas, tudo o que faço hoje, mas além disso, tinha que fazer o papel de esposa. Fazer papel de esposa significava fazer as coisas das quais ele gostava, estar bonita, sair pra onde ele quisesse, ver o que ele quisesse na televisão, não poder sair quando eu desejasse e ainda por cima ter que cumprir com as obrigações sexuais, que infelizmente eram obrigações para mim. Que vantagem eu teria em ficar casada se aprendi a matar as minhas próprias baratas e a trocar o meu botijão de gás? Sai fora, maluco!

Solteira eu me sinto livre. Não tenho que ficar tensa com a chegada de alguém, ou ficar me depilando, ou me preocupar em ir embora de algum lugar correndo por que tenho que cozinhar para o marido. Se quero viajar, apenas pego minhas coisas, meu menino e vou. Se não quero fazer nada, não faço nada.

Porém, eu sou uma pessoa romântica, apesar de meu militarismo feminista. Nem eu mesma entendo que teoria sigo. O fato é que tive um casamento ruim, uma experiência de relacionamento que não cumpria o mínimo de exigências para qualquer relacionamento. Eu não tinha um amigo, um parceiro, um amante, eu tinha apenas um marido. Eu não tinha alguém com quem sentisse prazer em ver um filme, em sair andando, jogando conversa fora, dando risadas, e combinando que não haveria janta naquele dia, mas uma pizza bem grande. Eu não tinha prazeres. E é desse casamento que eu não quero mais falar. Quero um casamento sim, mas quero encontrar alguém com quem eu me sinta livre, me sinta eu mesma, Berenice Cavalcante. E hei de encontrar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário